Caso Djidja: polícia indicia família da ex-sinhazinha e mais 9 pessoas

Caso Djidja: polícia indicia família da ex-sinhazinha e mais 9 pessoas


Resultado das investigações que apurava o uso e a distribuição de ketamina foi divulgado, nesta quinta (20), pela Polícia Civil do Amazonas; suspeitos foram indiciados por tortura, tráfico de drogas e outros crimes

Arquivo Pessoal/Djidja CardosoDjidja: ex-sinhazinha do Boi Garantido
Há outro inquérito civil na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros, que trata da causa da morte de Djidja Cardoso

Cleusimar Cardoso e Ademar Cardoso, mãe e irmão da ex-sinhazinha do Boi Garantido Djidja Cardoso, foram indiciados por tortura, tráfico de drogas e outros 12 crimes. O resultado das investigações do inquérito civil que apurava o uso e distribuição da droga ketamina foi divulgado, nesta quinta-feira (20), pela Polícia Civil do Amazonas. A apuração foi conduzida pelo delegado Cícero Túlio, do 1º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Além desta investigação, há outro inquérito civil ainda em andamento na Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) que trata da causa da morte de Djidja Cardoso, classificada como “a esclarecer”. O resultado do inquérito divulgado nesta quinta-feira afasta a tese de que os investigados seriam “inimputáveis” em razão da dependência química e apresenta 11 indiciados. Os dois principais nomes são Cleusimar e Ademar Cardoso. A Polícia Civil afirma que se Djidja estivesse viva ela também seria indiciada, pois integrava o esquema criminoso.

“Conseguimos identificar, a partir da análise de todo o conjunto probatório, em especial das mídias dos aparelhos telefônicos dos autores, que o Ademar figuraria como autor do crime de tortura em relação à Audrey (ex-namorada) e a sua ex-companheira, Gabriele, e a Cleusimar passaria a cometer tortura (com resultado morte) em relação à Djidja no momento em que eles percebem que a Djidja estaria numa situação de quase morte, em estágio terminal”, explicou o delegado. A investigação concluiu que a família Cardoso fundou uma seita religiosa chamada ‘Pai, Mãe, Vida’, praticou o crime de tráfico de drogas e induziu funcionários do salão de beleza da família, Belle Femme, a utilizarem as substâncias ketamina e potenay, um anestético e um tônico veterinários, respectivamente.

cta_logo_jp

Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

Como tudo começou

Conforme a Polícia Civil do Amazonas, a família já fazia uso de substância entorpecentes como maconha, chá, cogumelos e sintéticos, mas a ketamina passou a fazer parte da rotina após Ademar ter morado um período em Londres com a ex-companheira, onde ele conheceu a droga. “Lá, ele passa a torturar sua companheira, a obrigando a usar essa e outras substâncias até que, em razão de problemas com fornecedores de lá, ele acaba retornando ao Brasil, fugindo de criminosos de Londres, se separa da ex-companheira e conhece a Audrey, que figura como vítima desse procedimento”, disse Cícero Túlio.

Segundo o delegado, a ex-namorada de Ademar, Audrey Silveira, teria apresentado a ele um casal que fazia o uso da ketamina em pó, chamada special key. Já nesse momento, Cleusimar lia a obra Cartas de Cristo, seguida pela seita da família. “Em determinado momento, esse casal é convidado a participar das reuniões (da seita), das meditações, como eles falavam, e esse casal apresenta o entorpecente para a Cleusimar. Ela, que tem vasto conhecimento em química, haja vista que é formada na área”, afirmou o investigador. A partir desse momento, a família passou a estudar a droga e concluiu que a aplicação injetável, na forma subcutânea, renderia mais usos. O passo seguinte foi o próprio consumo da ketamina e indução do uso pelos funcionários do salão de beleza.

Fornecimento

A investigação aponta que a família passou a ter dificuldades na obtenção da droga, até que o ex-namorado de Djidja Cardoso, o atleta Bruno Roberto, apresentou a todos o coach Hatus Silveira, que já fazia uso de substâncias veterinárias. “A principal função do Hatus, com base no inquérito, seria o elo entre a família e o José Máximus, o administrador de uma clínica veterinária responsável por ceder esse tipo de medicação para a família. É ele quem insere também a substância potenay”, pontuou o delegado. Em meio a esse cenário, a ex-companheira de Ademar, Audrey Silveira, passou a ficar em uma “situação deplorável”, sendo torturada e em cárcere privado, conforme o inquérito, até ser resgatada pelo pai, que a leva até a delegacia e registra uma ocorrência.

Clínica própria

Conforme o delegado Cícero Túlio, a família já planejava abrir uma clínica veterinária e construir uma “comunidade” na zona norte de Manaus, onde o uso da ketamina seria livre para todos os membros do grupo. “Isso afasta a alegação de inimputabilidade dos autores. Eles tanto eram conscientes e tinham discernimento das práticas criminosas que arquitetam a criação de uma clínica veterinária para que pudessem adquirir esse produto com maior facilidade”, disse. Até o momento as defesas da família Cardoso e de outros indiciados ainda não se pronunciaram após a conclusão do inquérito.

Veja a lista divulgada pela Polícia Civil com todos os nomes:

Ademar Cardoso, irmão de Djidja Cardoso; Cleusimar Cardoso, mãe de Djidja Cardoso; Verônica da Costa Seixas, gerente do Belle Femme; Marlisson Vasconcelos Dantas, cabeleireiro e maquiador; Claudiele Santos da Silva, maquiadora do salão de beleza; Bruno Roberto Lima, ex-namorado de Djidja; Hatus Silveira, ex-fisiculturista; José Máximo, dono da clínica veterinária MaxVet e responsável por outros estabelecimentos; Savio Pereira, funcionário da clínica MaxVet; Emicley Araújo, funcionário da clínica MaxVet; pessoa ainda não identificada pela polícia.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Publicado por Carolina Ferreira





Fonte: Jovem Pan

Brasil