Ministro do Desenvolvimento Agrário diz que leilão do arroz ainda não foi descartado

Ministro do Desenvolvimento Agrário diz que leilão do arroz ainda não foi descartado


Apesar de Carlos Fávaro, titular da Agricultura, ter descartado a medida, Paulo Teixeira declarou que a decisão final dependerá da evolução dos preços

Raul Pereira/Ascom MDAPaulo Teixeira ao lado do presidente Lula
Paulo Teixeira é o ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar do governo Lula

O leilão para a compra de arroz, que havia sido descartado anteriormente, pode ser retomado, segundo o ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, Paulo Teixeira. Apesar de Carlos Fávaro, ministro da Agricultura, ter afirmado que a situação está normalizada, com preços e abastecimento sob controle, Teixeira destacou que a decisão final dependerá da evolução dos valores, especialmente nas capitais do Nordeste, onde o custo do produto ainda é elevado. Duas tentativas anteriores de leilão foram frustradas. Na primeira, foi suspenso por falta de interessados. Na segunda, cancelado devido a suspeitas de irregularidades, resultando na queda de Neri Geller, que era secretário de Políticas Agrícolas do Ministério da Agricultura.

cta_logo_jp

Siga o canal da Jovem Pan News e receba as principais notícias no seu WhatsApp!

O governo Lula está em negociação com os produtores e monitorando semanalmente os preços do arroz. Se não houver redução significativa, um novo leilão poderá ser realizado. Cerca de 70% do arroz consumido no Brasil é produzido no Rio Grande do Sul, e tanto o governo estadual quanto os produtores locais têm se manifestado contra o leilão, alegando concorrência desleal. A proposta inicial do Palácio do Planalto era comprar arroz para reduzir o preço do pacote de 5 kg para cerca de R$ 2,40 por kg, o que gerou desgaste com os agricultores gaúchos e acusações de leilão dirigido.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin





Fonte: Jovem Pan

Política